Nós, Pouso da Serra, sentimos um enorme privilégio em pertencer a estas montanhas da Serra de Montemuro.

Serra de Montemuro
Serra de Montemuro

press to zoom
Serra de Montemuro
Serra de Montemuro

press to zoom
Serra de Montemuro
Serra de Montemuro

press to zoom
Serra de Montemuro
Serra de Montemuro

press to zoom
1/26

  Serra de Montemuro. 

   Num passado recente, a agricultura e a pastorícia eram o principal sustento da população local. Nessa altura, não havia tantas árvores nos socalcos, porque os campos ou eram cultivados ou estavam ocupados por ovelhas e vacas arouquesas, explica-nos o Toni

    Atualmente, as árvores ocultam uma grande parte desses socalcos, cobrindo a encosta da montanha delimitada pelo rio Vidoeiro e pelas ribeiras do Seixo e da Carvalhosa.

  No total, a mata atinge uma área de cerca de 200 hectares, sendo uma das maiores do nosso país, dominada essencialmente por castanheiros e carvalhos, muitos deles centenários. 
(Ver texto completo em viagens a solta )

Ainda sobre estas montanhas da serra de Montemuro, temos o seguinte texto, da Camara Municipal de Castro Daire.


   Examinando a nossa Carta Hipsométrica, vemos destacar-se na metade setentrional do País, logo a seguir à serra da Estrela, uma zona de relevo com altitude máxima de 1382 m, de forma grosseiramente triangular, compreendida entre o douro, o seu afluente Paiva e uma linha quási recta tirada de Castro Daire por Lamego em direcção à Régua.” 

   
É assim que Amorim Girão define Montemuro, aquela à que chamou, há muitos anos, “a mais desconhecida serra de Portugal”. 
E ainda o é. Permanecem distantes os cerros onde se aventuram os pastores. As mulheres escondem ainda o rosto em velhas capuchas de burel. 
 

As lendas ainda servem para explicar os tempos antigos. Mas sente-se que há um deus maior que guarda esta montanha, cuja plenitude apenas os simples de coração podem conhecer. 
 

Este percurso pretende dar a conhecer ao visitante um pouco desta montanha desconhecida, rica em paisagens de cortar a respiração, onde as cooperativas artesanais se recusam a baixar os braços, e onde o visitante se pode deliciar com uma gastronomia de excepção. 
 

Considerando Castro Daire como ponto de partida, tome a EN 2, que atravessa a montanha, em direcção a Lamego. 
 

A 8 km de Castro Daire a serra é já uma imensidão vazia. A capela de Nossa Senhora da Ouvida, outrora aparecendo como milagre, é hoje companheira do parque industrial, à direita. 

(...)

Os gados da transumância deslocados da Baixa Estrêla ou de toda a Bacia do Mondego, até há poucos anos para aqueles pastos, hoje desertos. 

As urzes cobrem o chão, e com um pouco de sorte poderemos encontrar uma pastora sentada ou um homem vigiando algumas vacas arouquesas, tudo sereno como se fosse o princípio do Mundo.

Créditos:

www.viagensasolta.com/banho-de-floresta-outonal-na-mata-do-bugalhao/   fotos: Paulo Azevedo

www.visitemontemuro.pt/

www.facebook.com/groups/montemurorota1999/ A Última Rota da Transumância . Foto de Albino José Poças. e Toni Andreia Costa